sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Best thing (bêbado fala inglês)


Como é bom escrever com o grau etílico elevado, não? Tinha que haver lei para isso. Se dirigir, não beba. Mas se beber, escreva! Já liberei os fantasmas em confissões a esmo durante a noite. Sorte de quem lê agora. Só sobraram os prazeres e desprazeres poéticos para compartilhar.


E poesia de bêbado é o que há de mais sincero. Saem boas pérolas dali. Daqui. E, apesar da pressão no crânio, das pálpebras obesas, dos lábios dormentes, e da insanidade temporária, que pessoas interessantes ficamos depois de uns copos! Tão articuladas e sem pudores... tão engraçadinhas.


Fora que ninguém eleva o grau etílico sozinho. Tem sempre um amigo tão ruim quanto para acompanhar as bobeiras e destemperos. Mas tem que ser amigão mesmo, baú sem chave, ou o dia seguinte pode virar literalmente uma dor de cabeça.


Afinal, do que é que eu estou falando? Estou falando que amizade é a melhor coisa da vida. E com acompanhamento então... é uma festa. Feliz demais por ter os amigos que tenho. Uns tão diferentes dos outros, mas todos perfeitamente compatíveis comigo. Tem gente boa para toda ocasião. Oh sorte! Tudo bem, bêbado ama todo mundo. Mas dá pena de quem se leva muito a sério para se doar a esses momentos.


Tenhamos histórias para contar...


Obs.: tudo com moderação. Esquecer toda e qualquer coisa no dia seguinte também não é legal.



Um comentário:

Carol disse...

SIMPLESMENTE AMEEEEIIII!!!! rsrs