terça-feira, 12 de abril de 2011

Metromisoginia vaidosa


Se é verdade, me pergunto o que falta para acontecer. Falta coragem, eu diria. Pode ser que vontade também, mas essencialmente coragem. Me pergunto mais: onde estão os homens destemidos e apaixonados (num sentido mais amplo), que sentiriam orgulho em dar a vida pela mulher amada? Onde estão aqueles com doçura nos olhos e sangue quente nas veias? Eu digo onde estão. Estão séculos antes do seu nascimento.

Se esse é o tempo da tolerância, quero ser intolerante. Se hei de aceitar o básico por ser menos pior que essa invasão metrossexual (fresca mesmo) que nos esfregam na cara todos os dias, então prefiro não ter nada. Ser a tia dos gatos me parece, hoje em dia, uma alternativa deveras apropriada perto dessa infinidade de 'garotos' interessados apenas em si mesmos.

Sim, eles são capazes de aprender o que uma mulher quer ouvir, a hora que devem ligar, o tipo de mensagem que devem mandar - alguns com grande talento inclusive -, mas esquecem que atitudes desmentem em menos tempo do que se gasta para mentir. Não acho que fazem por mal. É só pressa. É a pressa de agradar a fêmea, mantê-la nas rédeas, para voltar ao mundinho preferido: 'amigos+cerveja+futebol+espelho'*.

Se esse texto parece radical, então termino de um jeito que os agrade. Invejo os homens, aprendo com eles, e um dia terei prazer em pôr em prática esse desprendimento. Erradas são as mulheres, que continuam fazendo deles prioridade**.

*Há exceções
**Há exceções

Um comentário:

Livia disse...

Adorei o texto Bia... tem uma página de blog português chamado Delito de Opinião que há muito tempo está em meus favoritos que fala sobre o livro "2666" de Roberto Bolaño, um livro que fala sobre a misoginia tratada de forma cômica fazendo anedotas sobre as mulheres. Bjs e parabéns, sou fã do seu blog...